Quem somos e diretoria
Vídeo-aulas Cultura Cigana
Lingua Cigana - Romani
Oficios Ciganos
Ações Culturais Ciganos e Direitos Humanos

 

     

 

You need to install the Flash plugin - http://www.webestools.com/

“Porrajmos” o pesadelo não terminou - copyright©Nicolas Ramanush

“ Porrajmos”

O holocausto cigano é mais antigo do que todos pensam e ainda não terminou...

 

"Porrajmos" é a palavra, em Romani, utilizada para denominar o extermínio de 500.000 ciganos pelos nazistas, na chamada “Solução Final da Questão Cigana”. Essa política de extermínio dos nazistas direcionada contra, principalmente, os ciganos do grupo sinti, previa:

- trabalho escravo para empresas alemãs, em campos de concentração (que levava ao extermínio pelo trabalho, por exaustão total);
- fuzilamentos;
- mortes por experiências pseudocientíficas;
- eutanásia;
- morte por gás Zyklon B.

Ao contrario do que aconteceu com os judeus em termos de levantamento histórico, não foi possível uma sistematização sobre o extermínio dos ciganos sinti, por falta de fontes escritas do período. Somente, na atualidade, o Romani se transformou em língua escrita e isto tem facilitado o levantamento, com recentes publicações de sobreviventes. Como é o caso da biografia do cigano sinti Otto Rosenberg, “Das Brenglas” publicado em 1998.

porrajmos
 
Crianças Ciganas em St. Josefspflege; cerca de 40 crianças cujos pais já foram deportados. Muitas foram utilizadas em experimentos científicos pela "pesquisadora racial" Eva Justin.
 
Cigano sendo submetidos a experimentos "higiene racial" onde faziam moldes de seus rostos e caveiras.

 

Sinti e Nazismo

Segundo registros, os sinti foram vistos pela primeira vez na Alemanha na cidade de Hildesheim em 1407. Gozavam de certos privilégios concedidos pelos nobres, que apreciavam sua música e artesanato (ourivesaria e instrumentos musicais). 

Antes do nazismo a discriminação contra os ciganos já existia. No início do século 20, por exemplo, foi criada a "oficina de informação cigana", cuja função era registrar os ciganos. Em 1905, foram publicados os registros com dados genealógicos e fotografia de milhares de sinti. E a guerra ideológica da mistura de raças era propagada.

 

 

Quais receios Maria Bihari compreende? Ela se tornou um dos numeros desconhecidos dos ciganos alemães que foram catalogados pela unidade de pesquisa de higiene racial, um ministerio público de saúde de Hitler. Coletando pouco mais do que nomes individuais e aniversários, nazistas vieram de um campo cigano para outro para pesquisar residentes. Mas a conotação de Zigeuner, o depreciativo termo alemão para Cigano, foi o suficiente para uma pessoa em um campo de concentração. Talvez, o medo de Maria fosse o desconhecido. Ou talvez ela descobriu o seu destino tarde demais.

Photograph by AKG London



Ao tomarem o poder, os nazistas efetivaram a opressão absoluta sobre os ciganos. Estes eram presos sob a acusação de serem associais. E ocorreu, sob a ordem direta de Hitler, a campanha de esterilização forçada de ciganos.

Em 1936, ano em que cerca de 600 ciganos foram levados para o "campo de ciganos" de Marzahn.

Em 1938 foi elaborado o Decreto dos Associais de Heydrich, que preconizava o trabalho forçado de todos os ciganos. Centenas de ciganos foram deportados a partir de 21 de abril para o campo de concentração de Buchenwald. Durante as deportações, a Gestapo roubava as posses  das vítimas.

O caminho para o extermínio de milhares de ciganos nas câmaras de gás começou com o Decreto da Luta contra a Praga Cigana, de 8 de dezembro de 1938, ou Decreto Fundamental, no qual consta: "Por motivos raciais, a regulamentação da questão cigana deve começar.

Para o cigano sinti, Romani Rose, a "solução definitiva" da assim denominada "questão cigana" foi anunciada nesse decreto de Himmler, cuja consequência direta foi "a deportação, no início de 1943, de ciganos de 11 países europeus para o campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau".

Como trabalhadores escravos, os ciganos foram vítimas do programa de extermínio de empresas da SS e de empresas privadas. Tais como:

- BMW,
- Daimler-Benz,
- Siemens,
- IG Farben,
- AEG,
- Heinkel,
- Phillip Holzmann,
- Steyer-Daimler-Puch,
- Messerschmitt etc.

As condições de trabalho eram igualmente desumanas tanto nos campos de concentração quanto nessas empresas privadas alemãs. Em média, os ciganos trabalhavam exaustivamente de 15 a 18 horas por dia. Como eram subalimentados, a maioria era destinada à morte.

É seguro afirmar que o auge da política contra os ciganos ocorreu com o Decreto Auschwitz, promulgado por Himmler em 16 de dezembro de 1942, que ordenava que todos os ciganos restantes do território do Reich,  deveriam ser deportados para o campo de extermínio de Auschwitz. Em Auschwitz-Birkenau foi utilizado o gás Zyklon B nas câmaras de gás.

  Auschwitz foi a maior máquina de extermínio de todos os tempos, onde  31 mil ciganos  foram assassinados. As estimativas do total de vítimas ciganas do regime nazista, assassinadas nas câmaras de gás, em fuzilamentos em massa e nos guetos, giram em torno de 500.000.

Uma mulher cigana em Auschwitz, nome desconhecido,  prisioneiro nº Z-63598, preso 01 de outubro de 1943. 
A letra 'Z' significa 'Zigeuner "ou"Cigana". 

[Auschwitz Memorial Arquivos]

Um homem cigano que está sendo abordado. 
Sua aparência desgrenhada sugere que ele foi forçado a puxar as calças para baixo para provar que ele não era judeu. (Polónia por volta de 1940)

 [United States Holocaust Memorial Museum]

Marzahn, o primeiro campo de internamento para "Ciganos" (Roma / Sinti) no Terceiro Reich. Alemanha. O campo de Marzahn ficava perto de um depósito de esgoto e cemitério de doenças contagiosas. 1936.

[Cortesia Landesarchiv Berlin]

Discriminação ainda continua:

Atualmente vivem cerca de 60 mil ciganos na Alemanha, dos quais 40 mil são ciganos sinti e 20 mil são ciganos rom. Os ciganos são até hoje discriminados, embora sejam cidadãos alemães e trabalhem como comerciantes, operários, artesãos, artistas e funcionários públicos, dentre outras profissões. Os ciganos sinti vivem há seis séculos na Alemanha, contrariando o que preconizava a propaganda nazista, eram cidadãos integrados à sociedade alemã.

E pelo fato de que a discriminação ainda continua, varias ONGs foram instituídas, para lidar com essa problemática social.
Contudo as maiores dificuldades enfrentadas pelas ONGs são:

- a diversidade dialetal, devido ao aporte de vocábulos dos diferentes países em que os sinti e os roma atravessaram, por si só torna a comunicação entre os grupos difícil;

 - a liderança entre sinti e os roma, se dá ainda no nível familiar ou grupal, impedindo que haja uma representação mais significativa junto à sociedade dos não ciganos;

Em 1952 foi fundada a Associação dos Sinti Alemães sem a presença dos rom;

O lado bom das ONGs:

Em 1970 o Conselho Central dos Sinti e Roma Alemães (com dezesseis associações membros).

O Principal objetivo dessas ONGs é manter uma atuação política, social e pedagógica. Esclarecendo aos não ciganos a respeito dos valores sinti e dos roma, para descontruir os preconceitos fortemente arraigados no imaginário dos alemães.

A Embaixada Cigana do Brasil – Phralipen Romane tem seu estatuto fundamentado nesses mesmos ideais e objetivos – pois opera em consonância com os ideais sinti-manush mundiais. E desenvolve projetos junto à sociedade não cigana com a finalidade de erradicar o preconceito.

E importante fazer-se essa pergunta: se os ciganos nunca representaram, em termos numéricos, um problema, político, econômico ou militar, o que de fato levou Hitler a executar a limpeza étnica?

A explicação para essa pergunta é bem antiga e histórica:

Em 1416, foi escrita e promulgada a primeira lei alemã contra os sinti, os ciganos eram acusados de serem espiões, portadores de pragas e traidores da cristandade:

Em 1500, Maximiliano I ordenou que todos os ciganos saíssem da Alemanha;

Em 1566, Ferdinand I aplicou ordens de expulsão e extermínio dos ciganos;

Em 1659 o assassinato em massa de ciganos ocorreu em Neudorf;

Em 1710 Frederico I da Prússia condenou todos os homens ciganos ao trabalho forçado, as mulheres foram chicoteadas e marcadas a ferro em brasa  e seus filhos retirados permanentemente e enviados a hospitais de doentes mentais;

Em 1721 o Imperador Carlos VI ordenou o extermínio de todos os ciganos;

Em 1725  Friedrich Wilhelm I condenou todos os ciganos com 18 anos ou mais a serem enforcados;

Em 1808 Johann Fichte escreveu que a "raça" alemã havia sido escolhida pelo próprio Deus para a preeminência entre os povos do mundo , dois anos depois, o nacionalista alemão Jahn escreveu que " um Estado sem povo é um artifício sem alma , enquanto um povo sem um Estado não é nada, como os ciganos.

Em 1830 usando as mesmas técnicas empregadas no século anterior, o conselho da cidade Nordhausen tentou realizar a erradicação da população cigana, tomando as crianças e levando-as para longe de seus pais.

Em 1835  Theodor Tetzner chamou os ciganos de " o excremento da humanidade".

Em 1863  Richard Liebich escreveu sobre as " práticas criminosas " dos ciganos.  E descreveu-os como sendo indignos viverem;

Em 1871 Charles Darwin, também escreveu usando uma linguagem racista ao se referir aos ciganos: "A aparência uniforme em várias partes do mundo, dos ciganos, contrasta com todas as virtudes representadas pela raça ariana nórdica, que é territorialmente e culturalmente avançada”;

Em 1922 todos os ciganos de Baden foram fotografados e tiveram suas impressões digitais colhidas. O parlamento da Baviera emitiu uma nova lei "para combater ciganos " e a Comissão Provincial Penal aprovou outra lei  datada 16 julho de 1926 , que visava controlar a "Praga Cigana ";

Em 1927 a Lei, que exigia fotografar e retirar impressões digitais dos ciganos fora introduzida na Prússia, onde, oito mil ciganos foram catalogados. A Baviera instituiu leis que proibiam qualquer pessoa de viajar em grupos familiares. E os ciganos com mais de dezesseis anos eram encarcerados em campos de trabalho, enquanto que aqueles sem documentação para comprovar a idade, eram  expulsos da Alemanha; Em mais uma violação direta da Constituição de Weimar, que garantiu direitos iguais para todos os cidadãos , após de 12 de abril de 1928 os ciganos na Alemanha foram colocados sob vigilância policial permanente.

Em 1929 o Centro Nacional do Munich estabeleceu conjuntamente uma Divisão de Assuntos ciganos com o Centro de Criminologia Internacional (Interpol), em Viena. Trabalhando juntos, eles impuseram restrições de viagens para todos os ciganos sem documentos, e à detenção de dois anos em "campos de reabilitação " para os ciganos com mais de 16 anos de idade.

Em 1933 em Burgenland retiraram todos os direitos civis dos ciganos; e em maio foi aprovada uma Lei para legalizar a esterilização eugênica.

Em  1934  decretou-se  a seleção de ciganos para a transferência para os campos de Dachau,
 
Em 1935 os ciganos tornaram-se sujeitos às restrições da Lei de Nuremberg para a Proteção do Sangue e Honra, que proibia casamentos ou relações sexuais entre povos arianos e não arianos ("A Lei de Casamento e Saúde").

Em 1937 o Alto Comando da Wehrmacht começou a emitir decretos
e ordenar a exclusão de todos os ciganos do serviço militar por razões de "Política racial".

Em 1938 em seu discurso para a Associação Alemã de Pesquisa Racial, o Dr. Adolph Würth da Unidade de Pesquisa Racial Higiene disse que "a questão cigana é uma questão racial. Da mesma forma como o Estado nacional-socialista tem resolvido a questão judaica, ele também terá que resolver a questão cigana de uma vez por todas. As pesquisas biológicas realizadas em ciganos é um pré-requisito incondicional para a Solução Final da Questão Cigana ". Isto foi ainda apoiado pelo Dr. Kurt Amon, que declarou que a política nazista "vê o problema cigano como sendo acima de tudo racial." Himmler depois disso colocou grupos de ciganos à disposição de uma equipe de médicos para experiências sobre técnicas de esterilização.

Em 1938 ciganos foram proibidos de votar, e nesse mesmo mês uma carta foi enviada ao "Líder Imperial do SS" do Dr. Werner Best, chefe da Polícia de Segurança nazista dizendo a ele que desse início a Solução Final para o problema cigano.

Em 1939, a encomenda para a Implementação do Reich Criminal do Departamento de Polícia foi emitido, e afirmou: "O decreto do Reichsführer SS de 12 de agosto de 1938 ordena o registo dos ciganos que vivem no território do Reich;

Em 1940, um despacho conjunto da sede NS e o chefe de polícia afirmava que "O primeiro transporte de ciganos para o campo de concentração do  Governo Geral deve sair com 2.500 pessoas.

Em 1940 ciganos foram deportados de sete centros de montagem no Antigo Reich para Lublin, localizado no Governo Geral. O primeiro transporte incluía 2.500 ciganos sinti alemães. O transporte incluía 1.000 de Hamburgo e Bremen, 1000 de Colônia, Düsseldorf, e Hanover e 500 de Stuttgart e Frankfurt.

Em 1942, o Ministério dos Territórios Ocupados do Leste reafirmaram para os líderes da SS e da polícia em Riga a fim de que "o tratamento de ambos Judeus e ciganos era para ser colocado em pé de igualdade ; Ciganos estavam sendo exterminados em Majdanek, Belsec, Sanok, Sobibor, Chelmno e Treblinka.

Em 1986, um relatório foi emitido pelo Ministério das Finanças da Alemanha, que concluiu que "todos aqueles vitimados pelo nazismo foram devidamente compensados. Dois anos depois, o governo da Alemanha Oriental anunciou sua resolução em pagar 100 milhões em indenizações por crimes de guerra para sobreviventes judeus, mas se recusou a pagar qualquer coisa para sobreviventes ciganos. Finalmente, em 12 de abril de 1990, o Governo da Alemanha Oriental divulgou um comunicado pedindo desculpas pelo "sofrimento imensurável" que o regime nacional-socialista tinha infligido a suas vítimas, incluindo ciganos, mas "enquanto o mundo comemora as mudanças na Europa Oriental, o papel tradicional  de « bode expiatório »de que os ciganos normalmente são incumbidos,  já está sendo ressuscitado em países como a França, Itália, Roménia e Hungria".

Isso é lástimavel, mas é uma VERDADE absoluta : o « porrajmos » não terminou ! 

A humanidade sobrevive num sistema hipócrita: todos querem sinceridade para si, mas pouquíssimos agem e lutam por ela. A exemplo disso temos recentemente a seguinte cena: quando Mandela morreu vários líderes da União Europeia foram lhe render o devido respeito, mas nenhum desses que disseram que Mandela foi um grande homem, faz algo para mudar a situação lastimável em que vivem milhares de famílias ciganas em seus países.

Nicolas Ramanush Leite

Neste vídeo Nicolas Ramanush fala da presença do Cigano no Brasil e sobre o Genocídio Cigano na Segunda Guerra Mundial.
Este vídeo foi apresentado em Portugal no evento " Roma Genocide-Part of European History" em 2015.

 

Os Experimentos Nazistas com Ciganos

Durante a Segunda Guerra Mundial, os médicos alemães utilizaram pessoas de etnia cigana como cobaias, para psêudo experiências em campos de concentração.

Waldemar Hoven

 

Congelamento humano

Waldemar Hoven submergia suas vitimas nuas em cubas de água gelada por períodos que variavam entre duas a cinco horas. E também deixava elas amarradas na neve do inverno.

 

Josef Mengele

 

 

Gêmeos

Josef Mengele costurava os gêmeos como se fossem siameses. Ele fez experimentos em 100 pares de gêmeos. E uniu os corpos dessas crianças simulando gêmeos siameses.

 

Gêmeos

 

Kurt Heissmeyer

Tuberculose

Kurt Heissmeyer injetava a bactéria da tuberculose diretamente nos pulmões de suas vítimas, no campo de concentração de Neungamme.

Gás fosgênio

As vítimas eram expostas ao gás fosgênio (utilizado para fabricação de plástico e pesticidas) e a inalação do mesmo causava irritação insuportável nos pulmões.

Transplante

Com a desculpa de descobrir se as articulações e membros de uma pessoa poderiam ser removidos e transplantados em outras pessoas. Eles amputavam a os membros de uma pessoa e transplantavam em outras pessoas também amputadas por eles. Além de remover músculos e nervos causando dores inenarráveis.

 

Hans Eppinger

 

Água do mar

Hans Eppinger médico alemão forçou 90 ciganos a beber apenas água do mar, privando-os de qualquer tipo de alimento ou água potável. Lesões corporais graves resultavam dessa experiência horrível.

Veneno

Também injetavam fenol e cianeto, mas em uma quantidade que não matava. Então, esperavam que o paciente morresse lentamente. Após a morte realizavam autópsia, para determinar o impacto que o veneno realmente produzia no corpo.

Carl Clauberg

Inseminações artificiais


Carl Clauberg inseminou cerca de 300 mulheres em Auschwitz com espermatozoides de animais, tais como porcos e cachorros. E ainda dizia: “vamos ver se elas geram mais monstros dentro delas”.


Contato: (5511) 99743-2449 - e-mail: contato@embaixadacigana.com.br - São Paulo/Brasil